terça-feira, 24 de maio de 2011

O que esperar do gratuito Ghost Recon Online?

Não é o Ghost Recon: Future Soldier, mas pode até ser melhor, unindo combates táticos e ação frenética em umjogo só – online e gratuito. Ghost Recon Online entra em beta na metade do ano com planos para um lançamento mais amplo no segundo semestre. E eu, pelo que joguei, mal posso esperar para passar mais tempo com ele.
Exclusivo para PC, o jogo em terceira pessoa tem mecânicas dos shooters de cobertura, como Gears of War, e está sendo desenvolvido pela Ubisoft Cingapura. Você pode escolher entre diferentes classes, atualizar e modificar suas armas e habilidades para adaptar o jogo ao seu estilo.
Nessa demo a que tive acesso, testei três classes: Assault, Recon e Especialist. Cada uma tem seu estilo específico e, muito mais importante, uma habilidade especial. Assault é um soldado equilibrado, com a habilidade especial “blitz”, que permite segurar um escudo e correr até um inimigo para derrubá-lo. Recon é uma classe sniper-furtiva equipada com um sensor de batimentos cardíacos que localiza os inimigos em tempo real – eles aparecem como silhuetas que você pode ver nos mapas e através de paredes. Finalmente, o Especialist vem equipado com um “escudo AEGIS” que age como uma espécie de bolha protetora. Quando o jogo for lançado, a Ubisoft promete adicionar mais classes, com a ajuda das sugestões dos jogadores.
Os gráficos do jogo parecem estar à altura da maioria dos shooters modernos, embora o meu teste com uma versão inacabada tivesse alguns problemas de lag. Nas rodadas que joguei, minha equipe precisava para encontrar e capturar pontos do mapa. Apesar de as habilidades soarem um tanto desequilibradas para um shooter tradicional, elas só podem ser usadas por um curto tempo, depois precisam ser recarregadas. E, claro, ambos os lados têm acesso aos mesmos poderes.
As partidas tinham problemas, a maioria parecia estar diretamente ligada à latência – esperamos que isso seja corrigido até o lançamento. Mas as rodadas eram divertidas. A capacidade de especializar suas armas, mudando desde o cartucho até o cano e a mira, é algo divertido e interessante.
A Ubisoft não detalhou qual será o modelo de negócios, mas é provável que ela venda itens para sustentar o jogo grátis. O que não está claro é exatamente onde será traçada a linha entre “jogar de graça” e “pagar por conteúdo premium”. Eu só espero que isso não atrapalhe o equilíbrio do jogo.
E o que você acha? Jogos grátis merecem sua atenção quando você sabe que muitas pessoas irão gastar uma fortuna em itens pagos que você nunca irá comprar?