sábado, 30 de julho de 2011

Loja norueguesa retira 51 jogos das prateleiras após atentados terroristas


A Coop NKL, uma companhia de varejo da Noruega, decidiu proibir as vendas de 51 marcas de jogos eletrônicos e brinquedos após os ataques extremistas ocorridos em Oslo e Utøya, em 22 de julho, há exatamente uma semana atrás. Dentre os produtos tirados de circulação, estavam Call of Duty 4: Modern Warfare e World of Warcraft, jogos que o assassino Anders Behring Breivik confessou que jogava com regularidade.

De acordo com o jornal norueguês Rogalands Avis, a medida foi anunciada por Geir Inge Stokke, diretor da Coop NKL, que disse que a empresa decidiu tomar tal providência em “respeito por todos que se sentiram comovidos” com os ataques da semana passada. Confira as palavras do executivo:

A decisão de remover os games foi tomada quando tivemos noção do tamanho do ataque. Outros estão em melhor situação que nós para apontar os efeitos negativos de jogos como esses. No momento, é (apropriado) que nós os retiremos das prateleiras. Eu não ficaria surpreso se outros fizessem o mesmo.

Nós temos de pensar seriamente se iremos disponibilizá-los novamente. A economia envolvida aqui é sem importância.

O responsável pela catástrofe na Noruega escreveu em seu “manifesto” que jogava World of Warcraft com frequência e descreveu Modern Warfare como se fosse a “ferramenta de treinamento” do próprio “plano”.

Outros títulos retirados das lojas, segundo o portal dinamarquês Gamers Globe são: Homefront, Black Ops, Modern Warfare 2, World at War, Call of Duty 4: Modern Warfare, Sniper Ghost Warrior e Counter-Strike: Source. Além disso, todos os brinquedos que pareçam ou funcionem como armas também foram banidos das lojas da Noruega.

Nos do PortlaBRX gostaríamos muito de saber sua opinião

Fonte: VG247