sexta-feira, 10 de junho de 2011

Espanha diz ter prendido líderes do grupo de hackers 'Anonymous'












Um dos líderes detido tinha servidor com o qual coordenava os ataques.
'Anonymous' ficou conhecido após invasões a sites em apoio ao WikiLeaks.



A polícia da Espanha anunciou nesta sexta-feira (10) a desarticulação da cúpula do grupo de hackers "Anonymous" com a prisão de três de seus líderes. Um deles tinha em sua casa um servidor com o qual coordenava e executava ataques contra sites de todo o mundo. Entre os alvos estavam os portais dos governos do Egito, Argélia, Líbia, Irã, Chile, Colômbia e Nova Zelândia, assim como páginas de empresas, informou nesta sexta-feira (10) o Ministério do Interior espanhol.

Durante o movimento “Democracia Real Agora”, em Madri (Espanha), uma pessoa é vista com uma máscara do grupo de hackers Anonymous (Foto: Susana Vera/Reuters)
Durante o movimento “Democracia Real Agora”, em Madri (Espanha), uma pessoa é vista com uma máscara do grupo de hackers Anonymous (Foto: Susana Vera/Reuters)


A organização de hackers é estruturada em grupos independentes que, no momento programado, lançam milhares de ataques de negação de serviço para derrubar servidores. Em algumas casos, os ataques acontecem por meio de computadores "zumbis" infectados.

A Brigada de Investigação Tecnológica (BIT) da polícia espanhola vinha analisando desde outubro de 2010 mais de 2 milhões de linhas de registro de chats e sites utilizados pela organização, até encontrar e deter sua cúpula na Espanha, que tinha capacidade para tomar decisões e dirigir os ataques. As prisões dos três líderes do "Anonymous" aconteceram nas cidades de Barcelona, Valência e Almería.
Hackers do grupo Anonymous ficaram conhecidos mundialmente em dezembro de 2010 quando atacaram a rede de computadores das empresas de cartões de crédito MasterCard e Visa, em retaliação ao bloqueio de doações para o site WikiLeaks. Os sites das empresas estavam entre os vários atacados pelo grupo, que ameaçou punir as organizações que deixassem de prestar serviços ao WikiLeaks – centro de polêmica após divulgar documentos da diplomacia dos EUA.

Em seu perfil no Twitter, a polícia espanhola revelou que o grupo perpetrou em 18 de maio um ataque contra a Junta Eleitoral Central da Espanha. Conforme a polícia, o grupo também atacou os sites da polícia da região da Catalunha (Mossos d'Esquadra) e do sindicato espanhol União Geral de Trabalhadores (UGT), assim como os portais da PlayStation e dos bancos BBVA e Bankia.

Fonte: G1